Publicado por: Sidnei | quinta-feira, 25 fevereiro 2010.

Saída…

20/01

Depois de muito trabalho, estamos saindo agora, 16h

Boa sorte pra gente!!

Mistocelha e Sidnei

Anúncios
Publicado por: Sidnei | quarta-feira, 24 fevereiro 2010.

Saída 2

Olá Pessoal

Agora chegou minha vez de partir rumo a Terra del Fuego!!

Se tudo sair dentro do horário, chego em Buenos Aires por volta das 17:30 hs do dia 23/01/10,  quando me encontro com Sidnei e D.Celha.

Hoje por volta das 21:30 hs,  falei com Sidnei, eles estavam na cidade de Santana do Livramento (R.S) fronteira com Uruguai. De acordo com o planejado, eles estão com um atraso de mais ou menos 200Km.

No Uruguai, eles seguirão em direção à cidade de Colonia, que fica a mais ou menos 400km da fronteira com o Brasil, onde estão no momento. Pela cidade de Colonia  farão a travessia do rio Mar Del Plata, em direção a Buenos Aires. Esta travessia é feita de Buquebus e acho que está marcada para as 13:00hs de amanhã. (não tenho certeza)

Agora , é torcer para que não haja nenhum outro atraso  e assim possamos nos encontrar no horário previsto e seguirmos viagem rumo ao Fin del Mundo

Liana

 

 

Publicado por: Sidnei | terça-feira, 23 fevereiro 2010.

Ainda no Brasil

20/01

No primeiro dia, fomos até Itapecerica da Serra, SP. Além de passarmos por algumas nuvens de chuva bastante carregadas, chegamos à essa cidade debaixo de um baita temporal. Acreditem, mas a cidade só possui um hotel, segundo informações obtidas com os poucos transeuntes que víamos nessa tempestuosa hora – pouco mais de meia-noite… Assim, ficamos em um bastante fuleiro e que também aluga quartos  “por período”, conforme nos informou o atendente. Pernoitamos e saímos fora bem cedo… Resumindo: Fui pro motel com minha própria mãe no primeiro dia da viagem… e ela comentou sobre a toalha lá: “rala mais que uma lixa, como unha de gato…”

21/01

Na quinta-feira, entramos no estado do Paraná e esticamos até a divisa com Santa Catarina onde paramos para dormir em um posto de combustíveis que oferecia quartos para alugar. Não nos preocupamos com a possibilidade desses quartos serem piores que os da noite anterior pois essa opção simplesmente não poderia existir…

Soubemos que houve uma baita chuva que parou a cidade de São Paulo… O motel em Itapecerica realmente serviu para alguma coisa pois já tínhamos passado pela capital paulista sem problemas…

A placa nem nos assustou...

Publicado por: Sidnei | segunda-feira, 22 fevereiro 2010.

Saindo do Brasil

22/01

Acordamos às 7h30min. O tempo estava com muita neblina e fazia um pouco de frio.

Posto na divisa PR/SC - neblina e pouco frio.

Depois de partirmos, ao final de 100km já havíamos cruzado o estado de Santa Catarina e entramos no Rio Grande do Sul em direção a  Erechim. Estradas razoáveis com bastante movimento de caminhões.

Como estamos no verão, quanto mais ao sul, maior é a duração dos dias e no RS o sol está se pondo por volta de 20h45min (com Horário de Verão).

Logo depois de um jantar em Santana do Livramento, fomos para a Aduana / Imigração Uruguaia para os trâmites de entrada.

Já do lado uruguaio, na cidade de Rivera, sacamos dinheiro e providenciamos uma mapa rodoviário para planejar nosso itinerário. Também recebemos algumas dicas e, dentre elas, uma indicação de um bom hotel na pequena Tacuarembó, 110 km adiante.

Em solo uruguaio, pudemos desfrutar de uma ótima rodovia, que nos permitiu viajar bem rápido…   

Passamos por duas barreiras e, numa delas, o policial nos perguntou se tínhamos feito boa viagem até o momento e nos deixou livre pra seguir depois de um cordial “buena noche“… Chegamos ao hotel recomendado pouco antes da meia-noite e fomos descansar.

Publicado por: Sidnei | domingo, 21 fevereiro 2010.

Entramos na Argentina

23/01

Saímos de Tacuarembó às 8h, acreditando que teríamos uns 400km até Colonia Del Sacramento onde tínhamos reservado o Ferry que nos levaria ao outro lado do Rio de La Plata,  em Buenos Aires, para passar no aeroporto (Ezeiza) e apanhar a Liana que se juntaria a nós à partir de então…

Neste trecho, boas estradas com pouquíssimo movimento, o que nos permitiu fazer médias de 100km/h. Planícies com  muito gado era só o que avistávamos pela janela.

Ruta Nacional 3 - Uruguai

Passamos por uma família que voltava de moto de uma pescaria bem sucedida. Ainda temos que nos aperfeiçoar nessa coisa de logística…

Peixe uruguaio ao óleo.

Estradas tão traquilas que a mamãe até dirigiu…

D. Celha depois de pilotar um pouco no Uruguai: "fácil demais..."

Trecho da uruguaia Ruta 01, a principal estrada do país.

Quando optamos chegar a Buenos Aires via Uruguai, pensamos não só na redução de aproximadamente 400km, mas também em evitar percorrer as estradas do lado argentino que ligam Puerto Iguazú a Buenos Aires por causa das constantes perturbações que costumamos sofrer por policiais argentinos dessa região… Eu mesmo já percorri aquele trecho em três outras oportunidades e pude constatar excessos e tentativas de extorsão – felizmente infrutíferas, mas que me fizeram perder horas de viagem e o entusiasmo de dirigir por aquelas bandas…

Outra idéia que ajudou escolher o presente caminho foi a oportunidade de percorrer as rua de Colonia del Sacramento e fazer algumas fotos…

Porém só conseguimos chegar ao porto de Colonia uma hora antes e por causa dos trâmites de imigração, não tivemos tempo de conhecer a cidade! Seguimos para o complexo do porto para fazer o embarque nosso e do carro no ferryboat. Alguma dúvida sobre quais quichês nos apresentarmos, mas tudo certo e relativamente rápido.

Já havíamos comprado as nossas passagens e o embarque do carro há cerca de um mês pela internet – http://www.buquebus.com/cache/HomeARG.html

Após 1h de travessia do Plata, desembarcamos do lado argentino e seguimos para o aeroporto com direito a uma paradinha no gramado às margens da rodovia para uma soneca de 1h…

Depois de encontrar com a Liana, continuamos até a cidade de Las Flores, ainda na província de Buenos Aires onde pernoitamos. Neste dia rodamos 625km mais os 50km da travessia do Ferry sobre o Rio de La Plata.

Publicado por: Sidnei | sexta-feira, 19 fevereiro 2010.

Os campos de Girassóis

Campo de girassois entre as cidades de Bahia Blanca e Las Flores - Ruta 76

Cheguei em Buenos Aires (B.A.) na hora marcada, tudo certo para falar com o Sidnei pelo rádio que estavamos levando.  Mas nao funcionou, o Sidnei não colocou pilha o radio dele…mesalva!!!!

Neste dia saimos de B.A. por volta das 19 hs e rodamos 211km até a cidade Las Flores onde passamos a noite. Nossa programação era no domingo dia 24/01, rodar ao  máximo em direção a Peninsula de Valdes que fica a 1300km de Las Flores e  onde sera nossa primeira parada oficial. Conseguimos sair do hotel as 9 hs, o café foi na lanchonete da esquina e pegamos a estrada às 10 hs. Rodamos 924km de pura planície, muitas retas interminaveis e muito campos de girassóis, que valeu o trecho… vejam as fotos.

Um dos vários campos de girassóis...

Liana

Publicado por: Sidnei | sexta-feira, 19 fevereiro 2010.

Retas, calor e poeira…

24/01

Foram 924km de muitas planícies e retas intermináveis…

Paramos para jantar e dormir às 21h34min em Coronel Conesa. Vimos o sol se por às 20h40min – sem horário de verão, pois este ano a Argentina não o adotou. Paramos várias vezes para relaxar e tirar algumas fotos. A temperatura era de 35°C em trechos de muita poeira suspensa e ventania.

Vegetação próxima à Ruta 76.

Ruta 76, próximo à Bahia Blanca.

Poeira suspensa bloqueiou parte dos raios de sol às 16h42min...

As retas ficaram bem menores com a poeira suspensa pelos intensos ventos.

Publicado por: Sidnei | quinta-feira, 18 fevereiro 2010.

Península Valdés

25/01

Levantamos às 8h30min. O dia estava lindo, ensolarado e muito quente. Nosso destino era Puerto Piramides e   Peninsula Valdés, o que representa 400 km de estrada.  Neste trecho também encontramos muitas planícies secas e uma ventania que levanta uma poeira intensa.  Em um ponto da estrada, paramos. Só de abrir a porta do carro, ficou tudo sujo de areia fina…

A Península Valdés é ligada ao continente pelo Istmo Ameghino. Nossa expectativa era encontrar uma beleza cênica maravilhosa, mas nos deparamos com um deserto… E rodar toda a península para ver os animais como, leões marinhos, Pingüins, etc.. não seria tarefa fácil devido a aridez, assim optamos em dar meia volta pois veríamos estes animais em outros trechos. As grandes vedetes desta península são as baleias Franca e Orca, mas este não é o período para avistá-las.

Seguimos então em direção a Puerto Madryn, um cidade portuária e, como a Peninsula Valdés, muito seca e poeirenta. Neste dia paramos mais cedo, às 20h. O sol de pôs às 20h40min… Nesta noite, caminhamos pela praia, a temperatura estava mais amena, 22°C.

Liana

Retas, poeira e calor...

Ruta 3, chegando a Puerto Madryn

Litoral de Puerto Madryn.

Puerto Piramides
Publicado por: Sidnei | quarta-feira, 17 fevereiro 2010.

Pingüeria

26/01

Acordamos em Puerto Madryn e passamos boa parte da manhã escrevendo alguns relatos, assim saímos do hotel 11h.

Programamos nossa primeira parada para este dia na Reserva Faunística de Punta Tombo, a maior pingüeria continental do mundo, que fica a 180 km de Puerto Madryn.

Foi um passeio muito interessante. “fiquei encantada com os bichos!”, disse a Liana. Em torno de um milhão de Pingüins de Magalhães habitam esta região por um período do ano, para procriar. Começam a chegar em setembro e vão todos embora em março, quando os filhotes já estão crescidos. Pudemos observá-los e caminhar entre alguns.

Após Punta Tombo seguimos em direção a Caleta Oliva, mais 475km de viagem aonde chegamos as 21h30min. Ainda é um trecho de muita aridez, planícies e ventania. A paisagem só começou a mudar quando estávamos em Comodoro Rivadavia, cidade porutária, a 78km de Caleta Olivia. Alguns morros, mas nenhuma árvore. Neste dia o sol se pôs quase às 22h e estava mais frio, 17°C.

Lixo nas proximidades de algumas cidades, como em Trelew...

 

Filhote aguarda pelos pais que podem não voltar da jornada pelo mar...

Muitos pinguins...

Litoral de Comodoro Rivadavia.

Publicado por: Sidnei | terça-feira, 16 fevereiro 2010.

Bosque Petrificado

27/01

Que vontade de ficar mais tempo na cama… Mas temos muito que percorrer… No hotel não havia café da manhã, logo arrumamos as trouxas e fomos procurar um local para o desayuno (café da manhã) não foi difícil encontrar o de sempre: café com leite e medialuna (croissant).

Nosso objetivo neste dia era chegar à Rio Gallegos, 716km ao sul pela mesma Ruta 3.  Parece pouco, considerando a facilidade de dirigir em estradas com muitas retas. Decidimos por uma primeira parada a 200km de onde estávamos, visitar o Monumento Natural Bosque Petrificado e valeu a pena… Para chegar ao parque, andamos 50km por uma estrada de rípio (cascalho) saindo da Ruta 3. Eu estava dirigindo e gostei do cascalho… Ao chegar ao destino, fiquei com as pernas doendo e os braços tensos, devido ao esforço para manter o carro na estrada.   No caminho de volta pelo rípio, foi o Sidnei que dirigiu… mas meus braços continuaram doendo devido a força que eu fazia segurando na lateral da porta…

Este mundo ainda é um mistério, a região é linda, encontramos árvores que se petrificaram devido ação de lava e cinzas vulcânicas provenientes de erupções que aconteceram a mais de 150 milhões anos, a mais de 200km do local.

Voltamos para estrada principal. Mais e mais retas intermináveis. Os ventos aumentavam e a temperatura caia. A paisagem mudou um pouco, agora víamos alguns morros e uma vegetação rasteira com margaridas ao longo da estrada, e guanacos (animais nativos da região) atravessando a estrada. Pegamos um trecho de chuva, por 1h. Quando cessou a chuva, a paisagem ficou maravilhosa devido aos contrastes de luz, cor e sombra o que possibilitou fotos maravilhosas.

Quando estávamos a 130km de Rio Gallegos, às 20h30min, paramos para jantar na pousada Le Marchand, às margens da Ruta 3 e neste momento decidimos dormir ali mesmo, um local charmoso e aconchegante. Neste dia o sol se pôs às 21h30min, ventava muito e a temperatura era de 14°C, chegando a 7°C ao dormirmos. Segundo o dono da pousada, no inverno, a temperatura chega a -25°C.

Liana

Araucárias petreficadas há 150 milhões de anos.

Monumento Natural Bosque Petrificado.

Parada para fotos no vento forte, enquanto as meninas aguardavam felizes...

Arco-íris no horizonte...

paisagens de retas intermináveis às vezes são modificadas pela chuva...

Outrora, passávamos por um pequeno lago.

Pousada Le Marchand, às 21h14min com 14°C.

Publicado por: Sidnei | domingo, 14 fevereiro 2010.

Tierra Del Fuego

28/01

Saimos de Le Marchand já eram 10h e decididos a chegar ao Ushuaia neste dia. Para nossa surpresa, ficamos agarrados na fronteira da Argentina para com o Chile (Paso Fronteiriço Austral) por 3h. Tinha muita gente e o esquema é muito zoneado.

E o frio… estava de cortar, 12°C mas com ventos intensos.

Depois dos trâmites, seguimos em direção ao Estrecho de Magallanes para travessia em direção à Terra do Fogo. Mais 1h de espera pelo ferry e o tempo de travessia foi de 30min.

 

Sem contar que depois de rodarmos mais 140km, enfrentamos outra fronteira, de volta a Argentina.

Estes 140km são de rípio, talvez por  ‘desinteresse’ dos Chilenos, pois a maioria que passa por ali, pensa em Ushuaia (lado Argentino). Assim que fizemos a travessia para a argentina, asfalto novamente.

Chegamos nesta fronteira 20h30min. O sol ainda estava alto e a temperatura ainda mais baixa. Rodamos mais um 80km até Rio Grande onde paramos para dormir… O Sol se pôs por volta de 21h42min – Ushuaia só amanhã!!!!!

Laguna Azul, a poucos quilômetros do Chile.

D. Celha comprovou os ventos muito fortes na travessia do Estreito de Magalhães - imaginamos atravessá-lo 500 anos atrás, com navios à vela...

Embarcação com os veículos se prepara para atracar após cruzar o Estreito de Magalhães em águas chilenas.

Fazenda Chilena.

Rípio chileno na terra do fogo.

Publicado por: Sidnei | sábado, 13 fevereiro 2010.

Fim do Mundo!!!!

29/01

Hoje às 20h30min, depois de rodar 6.295km chegamos a Ushuaia!!!!!!

Pela manhã, acordamos um pouco mais tarde e permanecemos a manhã em Rio Grande, 220km antes de Ushuaia. Ficamos até mais tarde no hotel escrevendo nossos relatos e almoçamos na cidade. Chovia  granizo e ventava muito, a temperatura média era de 7°C .  As 14h 45min retomamos nossa rotina de dirigir por longas retas em meio a grandes planícies. Pensamos que os 220km até Ushuaia seriam feitos em duas horas. Mas a beleza cênica das estradas mudou drasticamente. Apareceram montanhas com picos nevados e percorremos este trecho em 4h. Paramos várias vezes para contemplar e fotografar. Durante o percurso, pegamos períodos de chuva, sol e até neve… pode!!! Estamos no verão de Ushuaia.

Quando chegamos na cidade, o sol ainda estava alto, fazia um frio intenso, 4°C. O contraste dos picos nevados com o verde das montanhas e o azul do mar realmente era uma combinação muito interessante. Depois de tantas horas de estrada em meio ao desconhecido, o trio parada dura (batizado por Dona Celha – que não gosta deste tipo de música, mas achou o nome apropriado) estava muito feliz pela etapa cumprida. Tudo correu muito bem nesta etapa da viagem, sem erros no  caminho ou qualquer problema que possa ter tirado o encanto e tranqüilidade desta aventura.

O mais engraçado, era conversar com a população local e ouvir… “hoje está calor” lembrando 4°C.  Mesmo com este “calor todo” nenhum de nós deixou de curtir o lugar… 

Liana

Lago Fagnano, Ruta 3, pouco antes de chegarmos à Ushuaia.

Lago Fagnano, Ruta 3.

Lago Fagnano, Ruta 3.

Publicado por: Sidnei | sexta-feira, 12 fevereiro 2010.

Ushuaia

30/01 – Ushuaia

Hoje nos demos o prazer de levantar mais tarde e fazer tudo bem lento. Fomos almoçar e andar pelas ruas da cidade, que estava cheia. Depois fomos  andar pelo Parque Nacional Tierra Del Fuego.. Foi só curtir e imaginar como estará este lugar daqui a 100 mil anos…

As 19h paramos para um café da tarde, saindo da tradicional medialuna e comendo huevos revoltos (ovos mexidos). E claro, fizemos umas comprinhas… assim, terminamos nosso dia no Ushuaia. Amanhã iremos para Punta Arenas, no Chile… Acompanhe aí…

Liana

Aspecto da entrada norte de Ushuaia

Lago Escondido - Parque Nacional Tierra del Fuego, Argentina.

Trilha para mirante, Parque Nacional Tierra del Fuego, Argentina.

Ushuaia.

Publicado por: Sidnei | quinta-feira, 11 fevereiro 2010.

Álbum de fotos

Já colocamos 120 fotos no álbum!!!

Para visualizar, clique na aba ‘Fotos’ – acima, à esquerda.

Chegamos hoje à Punta Arenas, no Chile!!!

Sidnei

Publicado por: Sidnei | quinta-feira, 11 fevereiro 2010.

Punta Arenas

01/02 – Punta Arenas

Seguimos hoje em direção a Punta Arenas, no Chile, 642km de Ushuaia teríamos que fazer novamente a travessia pelo  Estreito de Magalhães. Desta vez iríamos tentar a travessia via Porvenir:  mais longa, mais cara, mas economizaríamos 170km por terra. Porém, quando chegamos em San Sebastián, as Aduanas argentina e chilena estavam com muitas pessoas,  atrasando nossa viagem e não teríamos tempo suficiente para  chegar ao porto em  Porvenir, de onde a travessia ocorre apenas uma vez por dia. Assim, fizemos a travessia do estreito por Primeira Angustura, da mesma forma que fizemos em direção à Ushuaia.  Chegamos em Punta Arenas já eram mais de 22h.

Esta cidade é lotada de casarões antigos que se tornaram hotéis bem charmosos. Estava muito fria, temperatura de 7°C e chovia um pouco. No dia seguinte demos uma volta pela cidade, fomos ao ponto onde tem as placas com as distancias de Punta Arenas até vários lugares do mundo… Rio de Janeiro são 4.101k em linha reta! Passamos à tarde na zona franca que existe na cidade. Os preços realmente estavam bons.

Depois de gastarmos um pouco, seguimos viagem em direção a  Puerto Natales.

A dificuldade de navegar pelo Estreito de Magalhães aposenta muitas embarcações - Chile.

Outra vítima do Estreito de Magalhães - Chile.

Punta Arenas - Chile.

Rodovia chilena, ao norte de Punta Arenas.

Publicado por: Sidnei | quarta-feira, 10 fevereiro 2010.

Torres Del Paine

02/02 – Torres Del Paine

Que dia frio foi este! Chegamos na cidade de Puerto Natales ontem. O tempo estava nublado e cada vez mais frio. Arrumamos logo um lugar para dormir e comer, pois estávamos muito cansados, acho que o frio contribui para isto. Como os dias são muito longos não percebemos que já estamos ‘noite’ adentro. No dia seguinte fomos conhecer o parque Torres Del Paine. Foi um dia bacana, o sol estava a nosso favor e o dia foi realmente muito interessante, as fotos dizem tudo!!!

Saimos do parque já eram 17h. Seguimos em direção ao paso Rio Don Guillermo, retornando para a Argentina, pois nossa intenção era dormir em El Calafate o que seria mais 3h de viagem desde a aduana.  Pegamos um desvio por uma estrada de rípio, economizamos 70km. Poucos quilômetros antes de entrarmos neste desvio, nosso primeiro pneu furado… mas tudo foi resolvido da forma  mais operacional, sem problemas. Chegamos em El Calafate as 23h, pouco depois de escurecer…

Liana

Águas do Pacífico em Puerto Natales.

Bahia em Puerto Natales.

As 'Torres Del Paine'.

Caminho para as Torres Del Paine.

Maciço das Torres Del Paine.

Parque Nacional Torres Del Paine - Chile.

Esse azul não está disponível nas paletas dos pintores por aí... Parque nacional Torres Del Paine, Chile.

Que azul é esse!!

Povoado fronteiriço próximo ao paso Rio Don Guillermo, no Chile.

Publicado por: Sidnei | terça-feira, 9 fevereiro 2010.

Geleira Perito Moreno, Monte Fitz Roy e combustível na Ruta 40.

03 e 04/02 – El Calafate, El Chaltén e Cidade de Perito Moreno

Chegamos ontem em El Calafate. Viajamos até tarde da noite. Ao acordar, fomos conhecer o Glaciar Perito Moreno, uma geleira que é alimentada por água da Cordilheira dos Andes e que forma maciços de gelo ao longo de encostas que desembocam no Lago Sarmiento. Algumas paredes de gelo junto ao lago chegam a 35-40m de altura.

Depois de apreciar a geleira, seguimos para a cidade de El Chaltén, onde chegamos próximo ao Monte Fitz Roy, com 3.405m. Nesta cidade, achamos hospedagens muito caras e decidimos seguir rumo ao norte alcançando o cascalho da Ruta 40. Paramos no povoado de Tres Lagos para dormir. Conversamos com José, um brasileiro que está há 17 anos na Argentina. Atualmente ele trabalha para uma companhia que está pavimentando o trecho de quase 600km até a cidade de Perito Moreno, para onde estávamos indo e que já tem algumas partes da estrada concluída.

Ao acordamos, tomamos o café com o dono da pousada, o ‘Turco’, um descendente de Árabes que nasceu na Argentina…

Seguíamos pelo ‘rípio’ da Ruta 40 e reencontramos com uma família brasileira  que conhecemos uma semana atrás, antes de chegarmos a Ushuaia. Este casal, Clóvis e Sônia, saíram de Uberlândia acompanhados de um dos filhos, o Rodrigo. Estamos fazendo uma viagem bem semelhante e trocamos informações por onde nos vimos… Neste dia, seguimos juntos até o povoado de Bajo Caracoles, onde eu precisaria abastecer para seguir mais 126km… Porém não havia gasolina no único lugar que a vendia!!!! Estacionamos os dois carros em um espaço e fizemos um lanche improvisado. O Sr. Clóvis se comprometeu a seguir meu carro e rebocá-lo quando o combustível chegasse ao fim. Saímos então pelo cascalho. Eu, pisando no acelerador com ‘pé-de-anjo’, tentando economizar qualquer gota de gasolina e, para isso, não passava de 90km/h. O Rodrigo, atrás, era a garantia de chegada. Fomos ‘escoltados’ por esta família de Uberlandia em seu carro com tanque de quase 90 litros… Na próxima vez, vou querer um tanque desses!! Enquanto dirigia, a luz da reserva acendeu, piscou, um alarme soou, o rádio desligou, respirávamos pausadamente e nada do motor parar… Foi assim por mais 90km!!! Apareceu um  bom e novo asfalto e continuava tentando economizar ao máximo o combustível para diminuir o trecho a ser rebocado… De repente percebemos que a cidade de Perito Moreno estava próxima e agora só mais um litro… Só não queríamos o ‘mico’ de o combustível acabar faltando 15 metros para a bomba de combustível… No final, chegamos ao posto!! Conseguimos andar os 126km, dos quais 90 deles na ‘reserva’… Agradecimentos aoTrio de Uberlândia pela escolta, abastecemos, tomamos um merecido café da tarde e fizemos planos para seguir viagem…

Seguimos em direção ao Chile, onde dormimos em Puerto Guadal, às margens do belíssimo Lago General Carrera.

Geleira Perito Moreno, El Calafate, Argentina.

Acesso à cidade de El Chatén. Monte Fitz Roy ao fundo.

Lago Cardiel, nas margens da Ruta 40.

Ruta 40.

Lago Beunos Aires, próximo a Los Antíguos.

Lago General Carrera, Carretera Austral, Chile.

Nossa 'escolta' por 126km... Agradecimentos ao Trio Clóvis, Sônia e Rodrigo.

Publicado por: Sidnei | segunda-feira, 8 fevereiro 2010.

9.000km e Mais Fotografias

No último relato, passamos por Punta Arenas e Puerto Natales, duas cidades da Terra do Fogo chilena – fomos à Torres Del Paine. De volta à Argentina, subimos para El Calafate para conhecer a geleira Perito Moreno e logo em seguida, El Chatén, onde ficamos frente à frente com o Monte Fitz Roy, com 3.405m, que atrai escaladores e trekkers do mundo inteiro…

De lá, continuamos por vias de cascalho e asfaltadas pela Argentina rumo ao norte até a cidade de Perito Moreno (não mais a geleira…). Entramos novamente no Chile para percorrer a Carretera Austral, que é um trecho com 80% de estradas de cascalho por entre lagos e montanhas…

Estamos na cidade chilena de Coihaique, uns 100km ao norte do lago General Carrera/Buenos Aires – este lago ocupa o território do Chile e da Argentina e cada um destes países tem um nome para a parte do lago que está no seu lado. Além disso, a profundidade máxima ultrapassa os 550 metros, sendo o mais profundo da América do Sul…

Tivemos até agora uma pequena trinca no pára-brisas por causa de pedras atiradas por outros veículos, um pneu furado e outro pneu com uma pequena deformação após uma baita pedra… A direção está ligeiramente desalinhada após uma dessas cacetadas…

O hodômetro nos mostra que já rodamos 9.000km desde que deixamos Belo Horizonte!!!!!

Colocamos mais uma seleção de fotos. Confiram lá!!

Esperamos atualizar nossos ‘diários de bordo’ em breve…

Em paz!

Hora do lanche na Ruta 40 entre Las Herquetas e Bajo Caracoles...

Publicado por: Sidnei | domingo, 7 fevereiro 2010.

Carretera Austral

05, 06 e 07/02

Optamos por seguir viagem pelo Chile, passando pela Carretera Austral, estrada de rípio por entre a Cordilheira dos Andes. Seguimos nesta estrada da cidade de Chile Chico até Puerto Ramírez. No início deste trecho, enquanto margeávamos o Lago General Carrera, nos deparamos com uma vista realmente fascinante… A diversidade de tons que as águas do lago produzem em contraste com a luz do sol e sombra da cordilheira é de tirar o fôlego. A estrada é bem sinuosa e percorre as encostas desta cadeia de montanhas que tem uma vegetação densa, típica de regiões frias. O tempo estava um pouco nublado mas os poucos momentos de raios do sol, considerando que já se passava das 19h, nos proporcionou este fascínio.

Seguimos até Puerto Guadal, onde pernoitamos em um chalé. Tivemos a oportunidade de apreciar a culinária desidratada (indicação dos nossos amigos Maduro e Marcelo, da TAZ logistic) que estava muito boa: carne, arroz com ervas, feijão, batatas gratinadas e ovos… Foi fome, muita fome!!!

Acordamos com uma chuvinha que permaneceu por quase todo o dia. Nosso caminho ainda era pela Carretera: muito rípio (cascalho), margeando rios, passando por inúmeras pontes e cachoeiras, subindo e descendo entre os vales. Neste dia rodamos 293km em 7h de viagem e pernoitamos em Coyhaique.

No dia 07 também acordamos com chuva. Desta vez mais intensa e não cessou em nenhum momento. Foi o dia mais cansativo na carretera, apesar da paisagem maravilhosa. Estrada estreita, com alguns buracos, muito cascalho e chuva, que atrapalhou muito, pois tornou o trecho de 470km, que fizemos em 10h, tenso e entediante. Paramos poucas vezes para fotos… Um dos únicos momentos em que decidimos fotografar, foi quando estávamos atravessando o Parque Nacional Queulat e que todas a máquinas estavam sem pilha ou bateria. Este parque é uma reserva natural de mata fechada dentro da Cordilheira, tem a estrada mais estreita do que as demais e a vegetação diferente do que já havíamos visto. A maior atração deste parque é o Vestigueiro Colgante, uma geleira presa no alto, entre montanhas, que ao descongelar, forma duas quedas d’água. Impressionante!!

Seguimos até a cidade de Futaleufu, na fronteira com Argentina, onde pernoitamos depois de conseguirmos entender que a diária da pousada eram 6 mil pesos por pessoa e não 100 mil. Esta confusão nos vez pensar em dormir dentro do carro… rimos muito deste fato. (100.000 Pesos chilenos = 374 Reais!)

Ter passado três dias percorrendo a Carretera Austral foi muito bacana, pois quando a paisagem se tornava repetitiva, as características mudavam e nos surpreendiam. Há pequenos vales com muitos cursos d’água e vegetação bem diferente ao longo da diferentes altitudes. A chuva que prejudicou um pouco a nossa percepção… Mais aventureiros do que nós eram os inúmeros ciclistas que estavam fazendo este mesmo percurso…

Liana

Ponte sobre o Lago General Carrera, Chile.

Lago General Carrera, Carretera Austral, Chile.

Lago General Carrera, Carretera Austral, Chile.

Lago General Carrera, Carretera Austral, Chile.

Margem da Carretera Austral, Chile.

Carretera Austral, Chile.

Carretera Austral, Chile.

Geleira Vestigueiro Colgante e suas duas quedas, Parque Nacional Queulat, Chile.

Detalhe de uma das quedas da Geleira Vetisgueiro Colgante, Parque Nacional Queulat, Chile

Trilha pelo Parque Nacional Queulat, Chile.

Publicado por: Sidnei | sexta-feira, 5 fevereiro 2010.

San Pedro de Atacama

Olá!!

Esta última semana estivemos com poucas oportunidades de acesso à internet  para fazer atualizações no Blog. Os trechos para deslocamento ficaram mais compridos, com menores tempos livres em cada final de dia e isso contribuiu para deixar de colocarmos as informações.

Desde a Carretera Austral, no Chile, continuamos em direção ao norte. Cruzamos a fronteira em direção a Argentina e seguimos novamente pela Ruta 40 até Mendoza. Constatamos que esta é uma cidade bastante grande e que não nos seria prazeroso explorá-la. Ainda na Argentina, fomos até Uspallata, em direção à capital chilena.

No dia seguinte, gastamos muitas horas para os trâmites de imigração – uma fila enorme de veículos. Além disso, a estrada do lado chileno está em obras e mais 2,5 horas de retenção e trânsito lento foram perdidas para, enfim, passarmos pela Cordilheira. Assim, decidimos não ir à Santiago e seguir rumo ao Atacama.

Foram aproximadamente 1.450km em  dois dias até chegarmos em San Pedro de Atacama, onde estamos desde ontem à tarde…

Hoje bem cedo fui levar a Liana ao Aeroporto da cidade de Calama, a 100km daqui, de onde ela seguirá para o Brasil…

Estava pretendendo visitar o Salar de Uyuni, na Bolívia – 380km de onde estamos, por estradas de terra em não muito boas condições, desaconselháveis para veículos 4×2, segundo informações que obtivemos aqui. Todas as opções pesquisadas de visitar este salar são em veículos 4×4 e me dei por vencido: não iremos arriscar no nosso carro. Porém, as excursões duram 4 dias para ir e voltar – pois passam por outros locais de interesse… Não temos todo esse tempo!!

Assim, iniciaremos nosso retorno ao Brasil amanhã…

Serão quatro ou cinco dias de viagem desde San Pedro até Belo Horizonte…

Já rodamos mais de 10.000km fora do Brasil e estamos sentindo falta das nossas coisas!!!!

Estamos bem. Descansamos bastante aqui em San Pedro e vamos seguir sem pressa!!! Tentarei colocar algumas fotos mais recentes no álbum.

Do Brasil, a Liana poderá postar mais notícias que ela  já havia escrito…

Abraços,

Celha e Sidnei.

Publicado por: Sidnei | segunda-feira, 18 janeiro 2010.

Fotos

Colocamos novas fotos no álbum.

Hoje, 18 de fevereiro, estamos em Pumamarca, no noroeste argentino.

Tudo bem conosco…

Estamos voltando sem pressa!!!

Até mais,

Celha e Sidnei.

Publicado por: Sidnei | quinta-feira, 14 janeiro 2010.

Chegamos!!!!!

Depois de 34 dias fora de casa, voltamos bem e com saúde…

Foram 18.000km de grandes descobertas!

Postamos o restante das fotos e iremos atualizar nossos últimos relatos em breve.

Agradecemos as inúmeras mensagens de apoio!

Celha, Liana e Sidnei.

Categorias